A via láctea do reino animal e por que o leite é tão importante

medicina leite maternidade

Fui atraído pelo simples e curioso título de uma matéria do New York Times: “Everywhere in the Animal Kingdom, Followers of the Milky Way”. De ínicio fiquei logo interessado em entender o que “followers of the milky way” queria dizer, curioso com a associação ao nome de nossa galáxia.

Tradução livre: Em todo lugar no Reino Animal, Seguidores da Via Láctea: À medida que os cientistas aprendem mais sobre a evolução do leite e as variações de composição, eles estão redefinindo o que costumava ser uma característica característica dos mamíferos.

O artigo fala sobre espécies de insetos produzem líquidos nutritivos para seus filhotes. E como esse padrão se estende além dos mamíferos, de uma forma bastante interessante pela natureza, discutindo a escolha evolutiva pelos “leites”.

A mosca Tse-Tse é o grande exemplo. Diferentemente de outras moscas, ela produz ovos e gesta apenas uma larva. Se a larva for espremida, sai um líquido branco de seu interior. Esse líquido é nada mais nada menos que leite! A larva não passa de “uma grande bolsa de leite”, usando as palavras do autor do NYT.

Com tantos nutrientes e os componentes imunológicos necessários ao seu crescimento e desenvolvimento, a larva da Tsé-Tsé se torna uma mosca adulta em 30 dias. Quando adultas, elas já estão prontas para carregar protozoários tripanosoma e sair transmitindo a doença do sono através de suas picadas.

mosca tsé-tsé

Do ponto de vista biológico o leite é considerado um líquido nutritivo que, além de proteínas, carboidratos, lipídios e vitaminas, também carrega anticorpos e até enzimas. É a principal fonte de alimento para os filhotes das espécies que o produzem.

Os mamíferos são os animais com a capacidade de produzir leite. mamífero vem justamente de mama, caracterizando a presença de glândulas mamárias. E é agora que vem o entendimento do título usado, mesmo em não mamíferos há alguma forma de “seguidores do caminho do leite”.

Se apenas mamíferos produzem leite é uma discussão interessante. Ainda mais quando estudos notaram a incrível semelhança do leite das moscas com o leite dos mamíferos. Muitos compostos são análogos nos dois leites, como a proteína caseína [3].

Na natureza muitos animais produzem líquidos nutritivos como alimentos para seus filhotes. A mosca tsé-tsé é mais um deles. Outros animais sem mamas também produzem leite, como: aranhas, baratas, besouros, tubarões brancos, pinguins e flamingos [1].

No caso dos flamingos, uma das poucas aves que produzem leite, é muito interessante notar que a prolactina está envolvida. O mesmo hormônio presente nos mamíferos e que estimula as glândulas mamárias. No caso dos flamingos, esse hormônio estimula células presentes na garganta a produzirem o leite. E outra curiosidade: ambos flamingos, machos e fêmeas, produzem leite.

flamingo alimentando filhote
créditos da imagem: MaxPixel's contributors

Assim podemos perceber a fundamental importância que o leite teve na evolução das espécies. E a sua importância para o saudável desenvolvimento e crescimento de animais. Não vou me estender muito falando sobre a produção de leite em outros animais pois não é a minha área de estudo.

Na espécie humana

Vendo como diversos animais na natureza utilizam de análogos do nosso leite, fica mais fácil entender a sua importância.

O aleitamento materno é extremamente importante para o desenvolvimento dos bebês. A recomendação é amamentar desde o parto até pelo menos 6 os meses, de forma exclusiva. Ou seja, após esse período a dieta já pode conter comida em conjunto ao leite. E a duração da amamentação deve ir até os 2-3 anos da criança.

Quando não for possível amamentar é muito importante procurar ajuda médica profissional, para estabelecer uma conduta personalizada e ideal a cada caso.

A amamentação materna previne infecções e favorece todo o desenvolvimento e crescimento da criança. Também existem estudos associando a amamentação com a menor prevalência de obesidade e diabetes [7].

Benefícios da amamentação, segundo o caderno da atenção básica da saúde de 2009 [8]:

Obs: Com relação à “diminuição do risco de alergias” e “diminuição do risco de hipertensão, colesterol alto e diabetes” encontrei fontes questionando essa evidência, como a referência [7] que é bem mais recente que o caderno de 2009 [8]. Vou estudar mais sobre esses detalhes e escrever uma nova postagem em breve.

Além dos benefícios ao bebê, o aleitamento também é benéfico para as mães. É capaz de reduzir a prevalência de câncer de mama e de ovário em mulheres.

Nota: Queria aproveitar esse momento para elogiar este artigo do NYT. Muitíssimo bem escrito, citando todos os artigos científicos com links para suas páginas no pubmed. Quero algum dia conseguir divulgar ciência com essa proficiễncia.

Referências

  1. New York Times: Everywhere in the Animal Kingdom, Followers of the Milky Way. Acessado em 24 de fevereiro de 2019.
  2. Fiozcruz, página na internet informando sobre moscas. Disponível aqui. Acessado em 24 de fevereiro de 2019.
  3. Benoit JB, Attardo GM, Baumann AA, Michalkova V, Aksoy S. Adenotrophic viviparity in tsetse flies: potential for population control and as an insect model for lactation. Annu Rev Entomol. 2014;60:351-71.
  4. Silver, R. (1984), Prolactin and parenting in the pigeon family. J. Exp. Zool., 232: 617-625. doi:10.1002/jez.1402320330
  5. Skibiel, A. L., Downing, L. M., Orr, T. J. and Hood, W. R. (2013), The evolution of the nutrient composition of mammalian milks. J Anim Ecol, 82: 1254-1264. doi:10.1111/1365-2656.12095
  6. SBP: A importância do aleitamento materno. Disponível aqui, Acessado em 24 de fevereiro de 2019.
  7. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, and lifelong effect, publicado na revista The Lancet, v. 387, Jan 30, 201.
  8. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009.