Invencível: o que achei da 1ª temporada (2021)

#Series

Isso aqui não vai ser uma análise séria da série, está mais para um diário onde vou anotando pensamentos aleatórios e impressões ao longo que vou assistindo. Como de costume, já aviso que TEM SPOILERS! Só leia depois de assistir os episódios.

Essa página vai ficar bem longa porque vou falar de cada episódio para depois escrever sobre o que achei da série como um todo. Se você não quiser ler tudo é só pular pra visão geral, não é necessário ler o que vem antes para entender o que achei de Invencível.

1º ep: Já estava na hora

Esse aqui foi um estouro. Começa o episódio e vai dando a impressão que é uma série bem decente sobre super-heróis e um drama familiar entre pai e filho. Já me chamou atenção a semelhança dos outros heróis com a liga da justiça. Tinha o flash, o batman, um que parecia o ET, etc (não lembro o nome dos demais).

Guardiões

Estava bem divertido já, mas fazendo o feijão com arroz. Quando chegou nos 30 min de episódio, eu já estava convencido a continuar assistindo, tudo indicava ser uma série decente. Mas… POW. O QUE FOI AQUILO??????? Eu não tinha essa sensação de choque assistindo TV desde o casamento vermelho de Game of Thrones! Meu Deus! De repente é como se o episódio virasse de cabeça para baixo, e isso nos minutos finais!

Até então a série não tinha apresentado nenhuma violência gráfica muito intensa e de repente somos apresentados à cena do ‘flash’ tendo a cabeça explodida e o ‘batman’ sendo estilhaçado com as visceras explodindo foi uma grande quebra de expectativa.

Quando o Omni-man começou a matar um por um os integrantes da defesa global eu entrei em choque, fiquei sem acreditar nessa ousadia. Foram 30 minutos introduzindo aqueles personagens para logo em seguida matá-los. E EU GOSTEI DISSO?!!

Matança

Sinceramente, gostei sim, e muito. E o melhor foram as cenas logo antes do “genocídio” de heróis, quando mostrava eles fazendo suas ações do dia a dia antes de serem chamados pelo relógio. O ‘flash’ namorando, o ‘batman’ combatento o crime, a fotógrafa, a empresária preocupada com o bem estar social (essa personagem parecia bem promissora, é meio triste que esse pretexto dela morreu), o peixe que tinha um palácio debaixo dágua.

E o batman era foda demais, triste que morreu. Senti quase a mesma sensação de quando mataram o Ned Stark. Assistino a matança eu ainda tinha alguma esperança de que pelo menos alguns ficariam vivos… mas não, morreram todos mesmo.

2º ep: Ou vai ou racha

O 2º episódio começa com o governo chegando no QG dos guardiões pra limpar a bagunça toda e investigar quem fez aquilo. Também chega uma equipe médica super avançada para tentar salvar os heróis destroçados. O conceito de soldados invisíveis introduzidos aqui é bem legal. Também somos apresentandos ao que aparentemente é algum chefe de estado responsável pela segurança do país e pela questão dos super-heróis, Cecil: uma espécie de Nick Fury.

Detetive demônio???? Que porra é essa KKKKKKKKK. Quando ele apareceu pela primeira vez eu ri, mas achei legal. É um ridículo mas legal ao mesmo tempo. Aqui no segundo episódio já percebi que a série me fisgou. Esses acontecimentos inesperados são muito empolgantes.

detetive demônio

Nesse episódio aparentemente somos apresentados aos verdadeiros protagonistas, já que os do 1º todos foram mortos. Os poderes de alguns são bem ridículos. A menina que se divide parece ser algo bem bobo, o carinha que joga bolas laranjas é bem irritante. O robô é de longe o mais legal deles; a menina de rosa parece ser legal também. Não entendi o símbolo dela, ela é contra o feminismo?

Time jovem

O final do episódio é a melhor parte, com o Omni-man entrando no portal pro planeta vermelho aleatório e destruindo a porra toda. Os visuais da série são incríveis e bastante empolgantes. Essa sequência de destruição e porradaria é visualmente linda demais.

Destruindo o planeta

No momento que acaba esse episódio meus pensamentos são: “não acho que o Omni-man seja do mau, acho que ele deve estar com algum tipo de ‘inveja’ e matou todos os guardiões pois acredita ser o único defensor digno da Terra ou por considerar que eles talvez fossem uma ameaça.”

3º ep: Quem você chamou de feia?

Resumo desse episódio: Omni-man é um grandississimo de um filha da puta. Rexplosão é chato pra caralho. Robô é outro filha da puta. É isso. Esse episódio é mais paradão por que só faz introduzir eventos novos sem ter ago muito grandioso.

Traição de Eve

Os novos guardiões são formados, liderados pelo Robô que nesse mesmo episódio se revelar ser um inimigo por liberar os caras azuis da prisão (nessa cena meu único pensamento foi: como pode uma prisão para super-vilões ser tão despreparada?).

Novos guradiões

E a menina ‘hulk’ que quando assume a forma de mosntro rejuvenesce? Loucura hein.

O detetive demônio, Damien, esclarece aqui que conseguiu fugir do inferno que segue em busca de justiça pelos inocentes para conseguir a sua libertação. Gostei. É um personagem bem maneiro.

Robô FDP

O carinha do governo decide congelar o Kaiju que o Omni-man teve dificuldade de derrotar. Provavelmene na tentativa de juntar inimigos capazes de derrotá-lo para o caso dele se rebelar.

No fim desse episódio eu penso: “em algum momento Mark vai ter que lutar contra o pai”.

4º ep: Problemas em Marte

Aí pegaram no meu ponto fraco, meteram uma viagem pra marte no meio do episódio. E nesse episódio acontece bastante coisa. Vai até ficar longo aqui.

Começa o episódio com um maluco ressucitando um tal de Ka-Hor. Mas ai fecham o bicho na pirâmide e fica por isso mesmo.

Ka-Hor

Aí tem Mark e Nolan indo treinar voo no Everest; Olga (ex-namorada do Josef, o ‘flash’) dizendo que vai voltar pra seu país natal, a Rússia; Damian o demônio confronta Nolan; o fortão azul clona a si mesmo numa cena bem interessante mostrando a mitose celular bem bonitinha.

Mitose

Depos Cecil chama Nolan pra ir pra Marte mas ele se recusa e acaba indo o Mark (Cecil queria que Nolan saísse do planeta por uns dias para investigar o massacre). Essa parte é maneira demais. Meteu viagem espacial no bagulho eu já fico empolgado. E essa nave estilo 2001? Irada.

Nave

Ai blá blá blá, cenas do namoro de Mark com Amber (não tenho carisma pela personagem dela). Mark vai escoltar os astronautas em Marte até descobrir que foram capturados pelos marcianos. E aí apresentam uma história bem maluca de chupa-cabras, bem no estilo Alien, que grudam na cabeça dos humanos e começam a controlar seus corpos pra dominar o planeta todo (parecido até com Rick and Morty).

Os marcianos estavam protegidos desses bichos mas uma vez que um terráqueo é infestado agora os marcianos estão fodidos pois podem ser dominados pelos chupa-cabras. É o fim da civilização marciana?? Detalhe que um dos astronautas volta pra Terra infectado por um desses chupa-cabras e ninguém percebe.

Chupa-cabras em Marte

Nesse ponto a história da série está acumulando vários problemas gigantescos e deixando cada um deles em banho-maria, prestes a explodir. São eles:

E acaba com o Damian sendo exorcidado pelo Cecil…… Que porra é essa mano, exorcismo numa série de super-heróis, OK né. Foda que acabaram de eliminar o personagem mais maneiro. Mas tá claro que ele vai voltar né, não tem como acabar assim. Agora, que burrice do Cecil, certeza que não vai conseguir lidar sozinho com o Nolan. Nessa altura Cecil até diz que já sabe que foi Nolan quem matou os guardiões mas diz que prefere encobertar pra investigar melhor os motivos dele (vai dar merda? provavelmente).

Exorcismo de Damian

5º ep: Essa doeu de verdade

Começa o episódio: cenas maneiras do homem de pedra dando porrada em bandido. Aí ele começa a fazer coisas maléficas mas demonstra bastante piedade. Aparentemente ele comete crimes por necessidade mas tem um bom coração (?). Somos introduzidos a mais um vilão, o chefe dele: facemecânica.

Facemecânica

E aí o maluco de pedra pede ajuda ao Invincible pra derrotar o chefe que ameaça sua família. Enquanto isso o fortão azul completa o processo de clonar a si mesmo.

Clone azul

Debbie encontra um blodo de notas do demônio detetive e descobre onde Nolan escondeu o seu traze sujo com o sangue dos guardiões. O detetive demônio, mesmo no inferno, cotinua tendo impacto (goxto).

Bloco de notas de Damian

E aí pronto, chegamos no ápice do episódio: a luta do pedregoso e invencible contra o chefão do tráfico. A verdade é que os dois tomam uma surra do leão gigante que mais parece o leão do Proerd. Os novos guardiões chegam pra ajudar mas acabam apanhando também. Mark ‘invencivel’ é levado de helicóptero às pressas para ser operado. No fim conseguiram deter o chefão do crime mas só porque o leão da Proerd achou a luta fácil demais e simplesmente se mandou, entediado.

Leão

O mais triste é o quase fim da menina monstro. Fiquei realmente com medo de matarem essa personagem, o conceito dela é interessante demais. Felizmente (e curiosamente) o robô suspeito criou algum tipo de conexão com ela e tá fazendo de tudo para protegê-la. A essa altura da série eu estou tentando não me apegar a nenhum personagem específico pois imagino que a qualquer momento podem matá-lo.

Menina monstro

Esses médicos são muito maneiros, fico empolgadasso quando aparecem pra resolver a bagunça. Viva a super medicina salvando os super-heróis.

Ainda descobrimos que o maluco pedregoso é outro grande filha da puta. Esse mundo tá lascado.

E acaba o episódio falando que as células viltrumitas são praticamente indestrutíveis, não podem ser destruídas. E a ADG (agência de defesa global) coletou uma amostra do sangue do Mark para estudos (provavelmente para estudar como deter o Omni-man, imagino eu).

6º ep: Eu só quero o progresso

Nesse episódio o vilão é um maluco que gosta de dar uma de Dr. Frankenstein. Logo depos da cena de introdução dele, corta pra base da ADG onde os médicos trazem os feridos pro setor médico, tentando salvá-los. Tem até uma cena bem legal de um tentando intubar a menina monstro que até tinha convulsionado.

Intubação

Mark vai visitar a faculdade com Amber e o William mas são surprendidos por um dos ciborgues do maluco Frankenstein. Incrível como Mark só apanha. Em seguida o namorado do amigo de Mark é secrestado e também transformado num ciborgue. Mark e William só conseguem escapar porque Rick recupera seus sentimentos e luta contra seu ‘transformador’.

Como de costume, Cecil chega pra limpar a bagunça e demonstra interesse pela tecnologia ciborgue que cria super-humanos.

Eve atômica tá morando numa árvore e dando voltas pelo planeta fazendo boas ações. O robô contratou os clones azuis para clonar alguém que ainda não sabemos quem (aparentemente é o Rex pois o robô roubou sangue dele. Mas… pra quê clonar aquele idiota?).

Clone do robô

E acaba o episódio com Debbie confrontando Nolan, questionando-o sobre porque ele matou so guardiões. Ela descobriu após analisar o DNA do sangue no traje dele com a ajuda do alfaiate. E Nolan fica putinho e faz um buraco na parede.

A menina monstro também acorda :)

Cadê o tal do Ka-hor que até agora não apareceu???

7º ep: Precisamos conversar

Agora sim!!! Que espetáculo, meus amigos. Os dois últimos episódios foram os melhores, logo depois do primeiro.

Nolan e Debbie brigam (claro né, Nolan confessa ter matado os guardiões), ela expulsa ele de casa. Depois a ADG acolhe Debbie e a leva para o pentagono. Eles tentam entrar em contato com Mark, mas sem sucesso. A essa altura, Mark é o único capaz de deter o Omni-Man.

Menina monstro está de volta

A menina mosntro está de volta! :) Adoro ela. Em seguida descobrimos qual era todo o plano do Robô. Ele soltou os clones azuis da prisão para conseguir clonar um corpo para si mesmo. Na verdade, o Robô é um ser humano, mas um ser humano doente, mantido vivo por uma incubadora e controlando o androide de forma remota.

Incubadora

Robô explica o plano de soltar os grandões azuis apenas para conseguir a tecnologia de clonagem deles e logo em seguida prendê-los novamente. Então até que o Robô não era um vilão, interessante. E olha só, ele fez isso tudo por… amor. Está apaixonado pela menina monstro. Que casal lindooo! Eu shippo, fofos. Depois de ter sua mente transferida pro clone (que aliás é uma cópia jovem do Rex) ele revela ter um facking Megazord bem no estilo PowerRangers.

Megazord

É muito maneiro os grandões azuis todo fortões bancando os cientistas. E Robô tem um supercérebro que quase impossibilita a transferência.

Depois Nolan volta pra casa procurando pelo Mark e encontra os soldados da ADG. E aqui começa o festival de violência gráfica, foda demais. O braço direito de Cecil se explode na tentativa de retardar o Omni-Man.

E a partir daí o episódio começa a escalonar e ficar cada vez mais interessante. Robô explica aos demais novos guardiões o seu plano para voltar a ser um humano (chocando Rex e praticamente fazendo uma declaração de amor pra menina monstro); Nolan sai loucamente em busca de Mark, chegando a intimidar seu amigo William.

A ADG tenta suas armas secretas para retartar o Omni-Man. Primeiro o satélite laser com uma cena de explosão muito foda. Nesse momento eu já estava ficando cada vez mais empolgado com o combate iminente que já era certeza que iria acontecer.

Cecil se teletransporta para conversar com Nolan e tentar entender porque ele matou os guardiões. Nolan não explica nada e tenta pegar Cecil que consegue escapar. Então a ADG libera sua segunda arma secreta, os ciborgues que construíram com a tecnologia do ‘Dr. Frankenstein’ capturado. O melhor é quando Nolan derrota os ciborgues e o maluco criador dos ciborgues começa a aloprar quebrando os computadores da sala de operações.

Depois a ADG libera o fucking Kaiju, dessa vez biologicamente melhorado como uma arma de guerra. Nolan apanha que só pro bicho e Mark aparece pra ajudar, sem saber que está ajudando um assassino.

Kaiju

E agora vem o outro momento que eu fiz ‘WOW, CARALHO’, os ‘irmãos’ azuis ressucitam o Imortal (antigo membro dos guardiões, morto por Nolan). E o maluco acorda infurecido com sede de vingança contra o Omni-Man. Nessa hora eu já estava mais e mais empolgado só esperando a beleza visual do combate. Tem até umas cenas bem legais do Imortal lutando em outras épocas da história.

Imortal e Omni-Man começam a lutar loucamente. Depois de muita luta visualmente linda, Nolan parte Imortal no meio (mais uma vez), só que dessa vez ao vivo, pra todo mundo. Mark olha o assassinato ao vivo e confronta o pai que encerra o episódio com a fala que dá nome ao episódio.

Imortal

Esse episódio é incrível. Toda a atmosfera de tensão criada aqui foi espetacular. E foi escalonando aos poucos até encerrar no Imortal sendo partido e todo mundo em choque com o que tinha acabado de ver. Omni-man todo ensanguentado e com os olhos vermelhos após terem sido quase esmagados pelo Imortal, completa o visual diabólico do personagem sanguinário.

8º ep: A verdade

Como já falei, esse e o episódio anterior, juntos, são os melhores. Putz, delicioso de assistir. Agora sim, finalmente Nolan conta toda sua motivação para ter matado os guardiões.

Nolan revela que na verdade os Viltrumitas são malucos que querem sair conquistando o maior número de planetas possíveis do universo. Eles também tem uma parada praticamente eugenista de buscar manter apenas os mais fortes de sua espécie vivos. Numa pegada também meio Thanos, pois em seu planeta eles lutaram entre si até só sobrar metade da população viva, só os mais fortes dos viltruvitas. E Nolan foi enviado à Terra para enfraquecé-la e facilitar a futura dominação.

Eugenismo

Mark se recusa a ajudar na dominação da Terra e começa a lutar com o pai (na verdade é Nolan primeiro começa a atacar o próprio filho). Tem também uma sequêcia irada com dois caças enviados da ADG. Mark tenta salvar um dos pilotos, e consegue… mas só até Nolan aparecer e explodir a cabeça dele na frente de Mark.

E aí começa a luta de titãs. Socos, porradarias, destruição de tudo que tiver pela frente. Nolan é sanguinário e não tem medo de machucar o filho. Mais cenas de violência gráfica mas dessa vez com a morte de centenas de humanos inocentes. E Nolan demonstra extrema frieza, desprezo pela vida humana, considerada por ele como uma civilização inferior que necessita ser conquistada para se aperfeiçoar. Nolan chega a dizer que a própria esposa é um ser insignificante, que a trata mais como um ‘animal de estimação’.

Metrô

Não dá, Mark não tem a menor capacidade para conseguir enfrentar seu pai. Quando Nolan está prestes a matar o próprio filho (se é que Viltruvitas morrem), ele começa a vacilar, demonstrando não ser capaz de matar o próprio filho, e foge para bem longe da terra, voando para fora do sistema solar.

A fúria de Nolan

Lá estão eles de novo, os médicos maneiros chegam para salvar Mark todo fudido. Maneiro demais esse conceito de super-heróis precisarem de médicos.

Médicos

Agora com o Omni-Man longe, a ADG começa a se preparar para quando ele voltar. Inclusive, eles mesmos estão revivendo novamente o Imortal (que pelo visto realmente é imortal), além de criar um exército daqueles ciborque ciclopes do olho vermelho.

Bem legal que o cara da coalisão dos planetas volta nesse episódio, infelizmente atrasado, para avisar à Terra que ela corre perigo com um Viltrimuta vivendo infiltrado. Curioso que pelo visto a galáxia inteira já sabia que os viltruvitas são uma ameaça, exceto a Terra. Mas tudo bem, eu perdoo esse provável calcanhar de aquiles do roteiro.

Inpetor da coalisão dos planetas

Visão geral da série

Sobre a violência explícita. Exagero? Acho que não.

O legal da violência explícita nessa série não é alimentar um ‘sadismo’ nos telespectadores, mas sim trazer realismo às consequências. Num universo com pessoas super-fortes é totalmente esperado que suas ações exageradas causem dor e sofrimento nos inocentes mais fracos. Com dois ‘super-homens’ lutando e destruindo prédios e ruas no meio de uma mega cidade superpopuloa é totalmente certo que pessoas vão morrer no processo. Mas não é morrer de qualquer forma, elas vão morrer de formas extremamente violenta, vão ser esmagadas por escombros, perder membros ou serem deformadas em explosões, atingidas por tiros ou estlhaços, e por aí vai. Toda a violência gráfica da série tras uma bela camada de realismo que está ali constantemente para nos lembrar das consequências das ações. Quando duas pessoas brigam, elas brigam até que um dos dois morra, e essa morte é sempre violenta.

Imagina um filme realista do Superman versus o Batman. Todos sabemos que o Superman é extremamente mais forte que o Batman (que na verdade é um ser humano ‘comum’). Se o superma usa toda sua força para arremessar o corpo do Batman contra o chão, o resultado será o mesmo da cena em que Omni-Man transforma o Asa Negra em pasta, com as tripas explodindo na pancada. Mas isso não acontece nas grandes produções de super-heróis do cinema porque elas não são nada realistas.

Quando eu era pirralho e fui ver Star Wars pela primeira vez, eu fiquei muito chocado com Luke perdendo um braço. Na época eu cheguei a ter pesadelos com essa cena. Mas se a gente parar pra pensar, numa luta de espadas, perder pelo menos um braço, a parte do corpo mais exposta e frágil nesse tipo de luta, é algo totalmente esperado e até comum de acontecer.

Veredito

Quando eu acabar todos os EPs, escrevo aqui.

Nota: (/5)

* * *

Críticas 🔎,
sugestões 📜,
observações 💡?

Como o site não possui sessão de comentários você pode mandar um email para filipe@mosquildo.com.br 📬 me dizendo o que achou do artigo que ficarei bastante feliz em responder:

Olá! Eu sou Filipe Mosca. Sou acadêmico de medicina e tenho um profundo interesse em ler e escrever sobre medicina em geral, desde a ciência até temas filosóficos e humanitários.

Inscreva-se Twitter